Por Que O Marketing Digital Enfrenta Tanto Ceticismo?

DRAKE2

 

Estava navegando em minha timeline quando vi um anúncio. Era um curso sobre como ganhar dinheiro trabalhando como afiliados de produtos digitais. O autor do anúncio estava demonstrando através de um vídeo ganhos acima de R$ 100 mil. Existiam vários comentários, então resolvi dar uma olhadinha….

descrentes

Pois é, estes foram alguns dos comentários. (Os nomes foram ocultos para proteger a privacidade dessas pessoas)

Não se trata apenas de algo que não as interessa, pois elas poderiam simplesmente ignorar o anúncio. Elas foram um pouco além e fizeram uma série de comentários negativos. Isso por si só demonstra a imensa ignorância destas pessoas: Como criticar um curso que você nem sequer comprou? Como colocar em dúvida a idoneidade de uma pessoa que você nem sequer conhece? Críticas vazias, aleatórias de um bando de gente raivosa falando mal apenas pelo prazer de falar mal. Se fosse algum curso que tivesse lesado muita gente eu até concordaria com as críticas, mas não foi este o caso.

Ceticismo exarcebado

Quem está no marketing digital há algum tempo certamente já ganhou alguma comissão como afiliado ou já viu o depoimento feliz de alguém por estar finalmente conseguindo ganhar suas primeiras comissões. Esta é uma realidade que vivemos de perto.

O que pensar quando alguém acredita que nosso ramo é um embuste, uma armadilha para lesar as pessoas? Você sabe que não é bem assim, pois você pode observar com seus próprios olhos e sentir em sua conta bancária que muitas promessas que são vendidas realmente são possíveis.

Quando você está anunciando um produto digital na internet parece que está pisando em ovos: precisa ficar driblando os medos, objeções e resistências das pessoas. E ainda corre o risco de receber uma enxurrada de comentários ruins de pessoas raivosas detonando com seu trabalho.

Você pode mostrar vídeos de ganhos, imagens de extratos bancários ou o que for. Parece que para algumas pessoas a barreira do ceticismo ainda é grande demais.

Pregando a desesperança

Comentários nas redes sociais possuem um enorme poder para influenciar quem apenas está observando, mas não toma parte da discussão. Quem se deixa levar por essas críticas negativas e exageradas pode acabar ficando desiludido e desistindo dos próprios sonhos. Pode se convencer que a vida realmente é dura, que não pode ter um rendimento extra e que nasceu para batalhar um salário e desperdiçar sua vida em infelizes horas trabalhando apenas para sobreviver e pagar contas.

Realidade brasileira no marketing digital

Observando bem a atitude de algumas pessoas percebemos que estamos extremamente atrasados em relação a outros países desenvolvidos como os Estados Unidos. O brasileiro ainda tem receio de passar seu cartão de crédito e acredita que irá comprar algo e não irá receber. Ele acredita que a quantidade de golpistas é maior que a quantidade de pessoas sérias dispostas a fazer um trabalho honesto.

Quem lembra da TelexFree? BBOM? Priples? Depois que tivemos aquele “boom” de empresas de marketing multinível que quebravam e faziam as pessoas perderem muito dinheiro parece que a má fama das pirâmides financeiras passou para o ramo do marketing digital.

Isto é meio triste e decepcionante, pois indica que o mercado ainda carece de amadurecimento, e BASTANTE amadurecimento. Mas não desistimos, ainda continuamos trabalhando no mercado digital brasileiro. Outra solução?? Ser um afiliado internacional!

susana[1]

  • Paulo

    Uma das razões do ceticismo é porque o marketing digital se foca em mostrar só o lado bom. Mas do contrário não seria marketing, seria?
    A propaganda tem o objetivo de maquiar– com muita maquiagem– um produto ou serviço.
    Um exemplo é o curso de alguém famoso que prometia a seus alunos como ganhar dinheiro no Facebook. Os vídeos dele pareciam de uma pessoa que estava no paraíso. Vídeos criados com logotipo profissional, rosto sorridente, muito ânimo. Aparentemente, tudo dava certo, segundo o que ele dizia. Os anúncios no FB atraíam muita audiência e o dinheiro era ganho. Esse foi o primeiro problema.

    O segundo: tempos depois o FB diminuiu o alcance das “fan pages”. Vários blogueiros reclamaram que se sentiam obrigados a pagar, e pagar muito pra que as pessoas visualizassem suas páginas e posts. Onde estava nessa hora o homem que vendia curso de ganhar dinheiro no FB? Sumiu.
    Mas mesmo que ele aparecesse, não haveria muito o que fazer, pois quem manda é o FB.

    Os autores desses cursos seriam mais convincentes se mostrassem a realidade que é composta por um lado bom e ruim. É uma pena que não se vê isso nos cursos online, e que quando procuramos testemunhas sobre determinado curso, observamos um nítido interesse em ganho de comissão.
    O que tem de errado nisso? Nada, mas quando o objetivo é só esse, falta o principal que é a credibilidade.

    • Paulo, você tem toda razão.

      Sobre esse lance da praia, vou abordar isso em outro post.

      Mas acaba ocorrendo o seguinte: em função de alguns problemas pontuais as pessoas acabam por generalizar todo o mercado. Por conta de alguns poucos profissionais ruins todos os demais acabam pagando a conta.

      Então, quando um afiliado coloca um anúncio ele está sujeito a passar por um enorme escrutínio. Nem sempre é justo, pois ás vezes ele está tentando fazer um trabalho honesto e está promovendo um produto de qualidade. Mesmo assim, as pessoas irão taxar, condenar e agredir de forma gratuita.

      Se você tem acesso a grupos de afiliados pode notar a felicidade daqueles iniciantes que fazem sua primeira venda. A primeira atitude deles é tirar um print e postar para todos verem. Existem os maus profissionais e os bons. Precisamos conhecer os dois lados da moeda para poder fazer um julgamento mais justo e correto.

      Percebo uma imaturidade generalizada. Se as pessoas não conseguem separar o joio do trigo acabaram por estigmatizar um mercado inteiro que poderia até mudar suas vidas.